Primeira “Balada”

domingo, 28 de março de 2010

Ontem, sexta-sábado, estava eu na entrada do que seria a primeira balada da minha vida esperando um amigo chegar para faze-ló companhia ao entrar, e o mesmo me faria companhia durante toda a noite. Enfatizando que na teoria era pra ser um aniversário de dezesseis anos de uma riquinha, que provavelmente não fez aniversário de quinze e quis esbanjar nesse, e não uma balada na qual nunca iria se não fosse o convite disfarçado de aniversário. Mas já era para se desconfiar pelo aniversário acontecer numa boate – que desconhecia – e no convite conter uma pulseirinha tipo aquelas de balneários. 

A aniversariante, uma ex-estudante do colégio, muito amiga do amigo que me acompanhou nesta empreitada, talvez por isso o convite, não consigo achar outro motivo para, já que as conversas sempre eram por intermédio dele.

Na entrada, três loiras recepcionando, duas sorrindo, claramente eram forçados, e a outra a aniversariante que estava vestida estupidamente infantil, sabe quando sua mãe coloca uma roupa estilo XUXA-PAQUITA no aniversário de quatro anos? Mas pior que isso, O QUE PASSA NA CABEÇA DESSAS PESSOAS QUE ACHAM QUE ESSAS ROUPAS DE PRINCESINHAS SÃO BONITAS?
Falei com a princesinha dando os parabéns e o presente, entrando em um ambiente estranho, totalmente acanhado cumprimentando os conhecidos avulsos – teve uma que ficou encanada/me achando idiota por ter cumprimentado-a perguntando por outra pessoa -, e finalmente encontrar um lugar para sentar, que eram poucos, e ficar vendo as COCOTAS DANÇAREM bebendo coca-cola, a boate oferecia bebidas alcoólicas para qualquer um ali – e nem continuarei a falar sobre isto pra não encher o saco.

 
Sem graça, mas a realidade 


Aí que você – único leitor – com câncer nos testículos perguntará “por que não saíste da tal balada?”  Simples, por dois motivos: Meu amigo que estava interessado em uma cocota, e queria meu “apoio”; E pela ruivinha do bar, que deveria está rindo mentalmente pela situação de ir somente para pegar refrigerante e tal.

Já no meio da festa teve o clássico parabéns, porque né apesar de ser uma baladinha ainda tinha aquela burguesinha fazendo aniversário, e enquanto… todos cantavam aquela musiquinha parabéns pra você parabéns pra você pelo seu aniversário… ao redor de um bolo de quatro andares… FOGOS DE ARTIFÍCIO MANOLO essa é pra quem ainda não acreditava no aniversário era realmente de riquinha, tipo 5min de fogos contínuos para acordarem a vizinhança do prédio ao lado, só faltou a moçoila ganhar um carro pra me sentir num daqueles programas gringos.
Voltando para baladinha, bundas e mais bundas rebolando se insinuando pros machos com suas correntinhas no pescoço, ou na boca as mordendo, o que me faz pensar: MORDER ALGO DE FERRO, aham, tudo em pró da sensualidade…. oh wait.

E as músicas? tive que agüentar – FODA-SE AINDA POSSO ESCREVER COM TREMA FLW - a tortura sonora que foi ouvir músicas do Cold Play e Red Hot Chili Peepers remixadas com o som estrondeante, poderia ser ouvido de outro cosmo fazendo você ter que gritar para conversar, a única coisa que fiz ali além de comer, e consequentemente saí de lá rouco e com a garganta doendo.
Essas baladas não são para mim, nem com as cocotas vale a pena.

3 comentários

ducardosotm

Lulz. Baladinhas fedem.

Mariana

Baladinhas from hell. Bom mesmo é ficar em casa jogando Mario Kart.

Anônimo

E o plot twist? A garota era um alien? O bolo era radioativo? Seu amigo pegou um traveco? Historia sem graca :/

Postar um comentário